Imagem capa - SOBRE A INTRODUÇÃO ALIMENTAR! ❤️ ESPECIAL SER TÃO MÃE por Carolina Lena

SOBRE A INTRODUÇÃO ALIMENTAR! ❤️ ESPECIAL SER TÃO MÃE

Introdução alimentar! Que fase mais gostosa. Momento muito esperado pelas famílias! Período marcado por novas experiências, mas também por dúvidas, sendo a mais frequente o momento certo para iniciar, o que deve acontecer quando o bebê estiver no estágio de desenvolvimento adequado. Ou seja, é preciso observar se o bebê está apresentando os sinais de prontidão, que são os aspectos motores que mostram que ele se encontra apto para receber a alimentação complementar, o que acontece por volta dos 6 meses. No caso dos bebês prematuros, eles devem iniciar a introdução alimentar considerando a idade corrigida.


É importante entendermos que a introdução alimentar é um momento de transição, uma grande novidade para o bebê. Ele passa de uma dieta exclusiva de leite materno e/ou fórmula infantil para uma alimentação, aonde são introduzidos novos alimentos com diferentes texturas, cores, formas e sabores. Seu bebê se encontra em um processo de aprendizagem: assim como uma criança aprende a falar começando a balbuciar, para depois falar palavras e posteriormente frases inteiras, o mesmo acontece com o processo da alimentação. No início, pode ser que ele estranhe, cuspa a comida, jogue ela longe, o que não significa que ele não gostou do alimento. Ele está se familiarizando, dê tempo a ele e não se preocupe com a quantidade que o seu bebê está comendo, mas sim com a qualidade e com a forma em que os alimentos estão sendo apresentados. É fundamental entendermos a importância do ambiente e o seu papel na condução desse processo que são fatores indispensáveis para a construção de uma boa relação com a comida, sendo tão essenciais quanto a seleção dos alimentos ofertados para desenvolver hábitos alimentares saudáveis. Portanto, sempre que possível, mantenha as refeições do seu bebê na rotina e na companhia da família, em um ambiente calmo e sem distrações, afinal queremos ensina-lo a comer e não dar de comer.


E nesse processo é fundamental darmos a oportunidade para o seu bebê ter autonomia no momento da refeição. Para isso é preciso deixar a criança manipular os alimentos, guiar sua refeição, experimentar novos sabores, texturas, cheiros. Isso porque o bebê está em um período de intenso desenvolvimento, marcado pela fase oral, descobrindo o mundo por meio da boca e esses estímulos auxiliam no seu aprendizado e facilitam a sua interação com os alimentos. O que move os bebês é a curiosidade que os estimulam a começar a comer. Eles são pequenos cientistas, precisam explorar os alimentos e aprender que comer é bacana! Isso gera repertório para o bebê no futuro. Por isso, deixe-o explorar os alimentos por completo, já que este é um grande estímulo, porém para isso é preciso:

- Que o bebê esteja sentado, confortavelmente e com segurança;

- O bebê deve conseguir liberar os braços para ir em busca do alimento, estar bem posicionado na cadeirinha, não podendo inclinar para nenhum lado e os pés precisam estar apoiados. Os músculos orofaciais responsáveis pela mastigação funcionam melhor com o bebê ereto, o que reduz o risco de engasgo;

- O bebê precisa estar sendo supervisionado e acompanhado por um adulto durante a alimentação.


Vai dar sujeira? Sim, seu bebê vai jogar a comida no chão, se você tiver bichinho de estimação vai querer dar comida para ele, vai passar a comida no cabelo, no rosto, enfim vai ter sujeira. Meu conselho: prepara-se para ela. Isso porque a sujeira nesse momento é muito bem vinda e faz parte do aprendizado. Não limite as experiências alimentares do seu bebê por conta disso e dê autonomia independentemente do método de introdução alimentar utilizado.


Mesmo que você esteja oferecendo os alimentos com o uso de colher, não deixe de estimular seu bebê a explorar os alimentos e interagir com a comida. Não esqueça disso, esta dica vale ouro! Deixe-o guiar a alimentação, respeite o tempo dele, ofereça os alimentos amassados - nunca liquidificados, triturados ou peneirados, arrume-os no prato separadamente e sem mistura-los, pois dessa forma a criança vai conseguir diferenciar o sabor e a textura de cada alimento, além de ficar colorido e atraente motivando o bebê a comer. Evolua a consistência gradualmente, conforme o desenvolvimento da criança, sendo que quando ele completar 1 aninho de idade deverá receber a comida na mesma consistência de um adulto.


E não esqueça de respeitar os sinais de fome e saciedade do seu filho. Confie! Lembre-se que você é responsável por selecionar e determinar o que o seu bebê vai comer, quando e onde as refeições serão realizadas, enquanto que a criança determina o quanto será consumido, afinal ela tem a capacidade de autorregular quantidades. Respeite a evolução e não force seu filho a limpar o prato, pois isso prejudica a sua habilidade em controlar o apetite e pode levar ao ganho de peso excessivo e a recusa alimentar.


Esse é um momento para garantir muito mais do que a nutrição adequada para o pleno desenvolvimento. É um momento para ter muito afeto, vínculo familiar, ambiente favorável, neutro, acolhedor, respeito com o tempo da criança e com sua capacidade em autorregular quantidades. Dessa forma, possibilitamos que a criança desenvolva muito mais que laços fortes com seus cuidadores, mas também construa hábitos alimentares saudáveis e uma relação positiva com a comida, o que será influenciado diretamente pelas experiências alimentares que ela teve desde o início. Todas essas habilidades que o seu bebê desenvolver durante o primeiro ano de vida serão o ponta pé inicial para o desenvolvimento da sua alimentação o que ele vai levar para toda sua vida. Vale a pena, garanto!









Conteúdo escrito por:

Nutricionista Marina Sgarioni   | @nutrimarinasgarioni

Agendamentos: (54) 98409-4914
Atendimentos online para todo o Brasil.
📍 Caxias do Sul e Flores da Cunha.